segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Oh, Insensato Coração!

Hei gente, eu havia comentado que tava doida pra ver a abertura da novela Insensato Coração, lembram?
Pois eh...
Mas, não é o início que tem me chamado  atenção e sim os intervalos. Vocês já pararam para ouvir a música que toca nos intervalos? São embalados nada mais, nada menos, por: " Que país é esse? " , de Legião Urbana (instrumental); aí, eu fiquei lembrando do desenrolar da história e da letra da música. Não é que " casam" direitinho?!
Aha! Ótima tacada!!!
A trama é, ao mesmo tempo ficticiosa e realista; isto porque, é possível tanto ver  personagens que são típicos heróis e mocinhas sonhadoras,oi Pedro e Marina, bem como batalhadores, com personalidades fortes, ambiciosos e capazes de fazer de tudo para alcançarem o que desejam. Um prato cheio para análise comportamental, mesmo não sendo esta sua real pretensão.(Claro, segundo minha humilde opinião enquanto crítica novelística, que não é das mais conceituadas, mas muito bem refletida.)
Poderia ser só mais uma novela abordando temas atuais, mas o que me chama a atenção é a sutileza como essa abordagem é feita. E, ao meu ver, há dois persongens que mesmo em seus opostos, ou justamente por isso, poderiam facilmente transmitirem sozinhos toda  a mensagem da trama: ambição, heroísmo, luta, cinismo, inocência e impunidade, que tanto assolam nosso dia a dia: Léo (Gabriel Braga Nunes) e Norma (Glória Pires)

# senta que lá vem história!

Para  os que não acompanham, Norma é uma típica mulher pacata e desiludida com o amor. Víuva, nunca se sentiu realizada  no casamento.
Enfermeira, após a morte do marido, trabalhou muito tempo em um hospital, onde conhecera Dalva, sua única " amiga", indo trabalhar depois como acompanhante de um velho rabugento, que além de tratá-la mal, desconfia até da própria sombra. Sua desconfiança faz com que mantenha guardado em casa uma alta quantia em dólar.
Léo, é um dos filhos do casal Raul e Wanda e irmão de Pedro, o heroi da história. Nunca foi bem sucedido profissionalmente. Trabalha no escritório do pai e volta e meia abre um rombo no orçamento da família, com seus negócios que nunca dão certo.
Léo é ambicioso e para investir em um desses seus negócios, precisa de muito dinheiro que não tem. Certa vez, estando no mesmo hospital que Norma estava com o patrão dela, ouviu o velho falar sobre os dólares  e tratou logo de se aproximar da moça, para isso, fingiu se chamar Armando, passando mais tarde a se envolver com ela.
Norma só não sabia é que ele estava "armando" para ela. Fez a moça acreditar que estava apaixonado e que viveria enfim um grande amor, conseguiu acesso a casa, encontrou o dinheiro do velho que morrera de susto, e a deixou na cadeia, sem pistas se quer de que ele existe.

Sabem, esta trama me deixou numa reflexão meio paradoxal. Sim porque, ao mesmo tempo em que me recuso a acreditar que, ainda hoje, existam pessoas tão inocentes quanto a Norma, penso que, tal recusa me faria desacreditar também na bondade humana. E aí, como viver?
O que se tornou esse mundo que me faz sentir medo de uma pessoa mal trajada na rua, enquanto tudo o que ela quer é a informação de que ônibus pegar para se dirigir ao hospital público, onde foi preciso esperar um mês pela consulta?

video

Qual será a esperança que me fará prosseguir?
Que país é este, meu Deus?!

2 comentários:

  1. A primeira abertura eu nem tinha reparado, mas sim percebi que a música dos intervalos era diferente...
    Não curto muito legião embora tenha que admitir que os caras arrebentam.
    E ai vai estudar de tarde? Se for a gente se vê por lá.
    Obrigada pela visita Aline!

    ResponderExcluir
  2. rsrs
    eh menina, eles são msm bons!
    obrigada vc tbm!
    Peguei algumas à tarde, mas são de educação; to ajeitando meu horario louco ainda. ;)

    ResponderExcluir

Comentar:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...